É impossível que em pleno ano de 2011, alguém não saíba o que é o Petróleo. Por isso, pulamos a parte etimológica e fomos direto para a discussão sobre este recurso natural tããão cobiçado. Afinal, por que o petróleo parece ser o recurso mais eficiente na hora de gerar energia? Por que tamanha resistência em energias alternativas? Guerras e mais guerras são travadas pelo petróleo, por que? E os acidentes? Será que não é possível fazer uma exploração “segura” de petróleo? Quais foram os 10 maiores acidentes registrados? Obviamente, não chegamos à nenhuma conclusão. Ouça, discorde, e opine, faça o que quiser! O Negação Lógica é isso aí! Go!
Para quem não sabe o que é podcast, clique aqui.
PARTICIPANTES:

OUÇAM O EPISÓDIO:
[powerpress]
NÓS, NAS REDES SOCIAIS:

FEEDBACK:
Pessoal, é muito importante para nós o feedback de vocês. Qualquer dúvida, sugestão ou crítica. Se você gostou ou detestou: comente, mande e-mail ou tweet! Queremos saber se estamos no caminho correto. Nosso e-mail é contato@negacaologica.com e os comentários, dispensam comentários!¬¬
FEED ou iTunes:
Adicione o nosso Feed no seu agregador RSS ou no iTunes: http://negacaologica.com/feed/podcast/. Ou ainda, se preferir, clique aqui e vá direto para os nossos episódios na iTunes Store.

Tags:

6 Comments

  1. Uma energia relativamente barato mas mto danosa para meio ambiente. Acho q nuclear ainda pega mto mal. Imagina um pais islâmico produzindo. EUA ia matar td mundo. Apesar de ser cara a tecnologia verde eh melhor opção. Quando vai acabar o sol e o vendo? Se acabar, será q vamos esta vivo???
    Pq o petróleo eh principal matriz energético? Será por causa do capitalismo ou briga politica?

  2. Bom dia.
    Interessante o episódio. Parabéns pelos temas. É o segundo episódio que ouço e tenho me interessado muito por podcasts que discutem temas sérios.
    Percebi que vocês entendem que os lucros do Pré Sal deveriam ser destinados ao(s) estado(s) onde se localiza a jazida de petróleo (pelo menos um dos participantes deixou isso muito claro) .
    O Pré Sal terá seus lucros divididos entre os Estados que compõem a União. Acredito que os estados DIRETAMENTE produtores terão uma cota maior dos lucros.
    Foi lamentável o comentário: Se acontecer um acidente, o ACRE vai fazer o quê? Vai ajudar??? Bom, diria, em primeiro lugar, lembrem-se que são vozes públicas com ouvintes em todo lugar. Comentários como estes podem se mostrar — inclusive — discriminatórios. Tomem cuidado e lembrem-se que vocês são formadores de opinião.
    Em segundo lugar eu diria que SIM o ACRE vai ajudar. Veja, o LUCRO do Pré Sal é que será dividido. Assim, um acidente ambiental terá custos para ser sanado. Estes custos serão abatidos do Lucro, e com isso a cota destinada ao Acre será afetada, portanto, participaram na ajuda ao controle do acidente.
    Jazidas como o Pré Sal estão sendo encontradas agora porque o alto valor do petróleo está tornado viável estas escavações profundas. Já foram encontrados novos poços no litoral Paulista e no Sul do país.
    Como sabem, quanto mais profundo a jazida, mais caro o petróleo. Na década de 70 (antes da crise do petróleo) era muito mais barato importar do que fazer este tipo de perfuração, mas hoje em dia, com os preços atuais, estas explorações se tornaram possíveis.
    O Brasil tem petróleo para muito, muito tempo. Tem uma reserva tão grande, que não conseguiremos explorá-lo antes que o Petróleo seja substituído por novas fontes de energia. Aliás, ônibus elétrico em São Paulo existe já há uns 40 anos. As verdadeiras novidades são ônibus movido a BioDiesel e a HIDROGÊNIO.
    Sabe o que sai do escapamento de um ônibus movido à hidrogênio? Vapor d’água! Legal, né? Ainda combate o ar seco! kkkk
    Veja a notícia clicando neste link.
    É interessante que motores à hidrogênio poderiam ser a solução para a questão ambiental, mas a implantação deste modelo de motores conta com a resistência da indústria petrolífera, que quer espremer até o último bagaço de cana antes de mudar de fonte de energia. Também existe a questão de quanta água — e qual tipo de água — seria destinado ao uso como combustível.
    Já existem motos elétricas que são alimentadas em uma tomada comum de energia. Tecnologicamente não estamos distantes de veículos ecologicamente 100% corretos.
    Para energia, acredito que passaremos por um período de energia NUCLEAR (fissão e posteriormente fusão nuclear) antes de chegarmos a outros métodos que ainda andam pelo reino da ficção científica.
    Estamos passando por um momento crítico, onde decidiremos se evoluíremos e resolveremos problemas como geração de energia, convívio benéfico com o meio ambiente, geração de alimentos para toda população OU se entraremos em colapso e iremos poluir cada vez mais e no futuro apenas os mais ricos conseguirão pagar para ter condições de vida como aquisição de oxigêncio, alimentos, água e outras necessidades.
    As previões para o futuro, pelo menos nos filmes, quase sempre apontam para o declínio da nossa raça. Espero que sejamos capazes de resolver estes problemas LOGO!
    Abraços.
    aLx

    1. Talvez meu comentário tenha soado discriminatório, mas obviamente, não foi a intenção. De qualquer forma, explico: me parece lógico que em caso de acidente os lucros diminuiriam para todos os estados beneficiados. Me expressei mal quando disse que o Acre (ou qualquer outro estado não produtor) não ajudaria. Mesmo se ajudasse, não é esse meu ponto. Os danos ambientais que a bacia do Rio de Janeiro sofrerá, por exemplo, é um dano que SÓ O RIO DE JANEIRO arcará. Nenhum outro estado que tenha seus lucros diminuídos sofrerão essas conseqüências. Logo, por isso que defendo uma partilha que cubra os ônus dos produtores.
      É claro que a União abocanha boa parte dessa riqueza (e assim deve ser), e acredito que apenas essa parcela da União seja o suficiente. Ela que reparta entre os estados, como já faz. A eficiência é questionável, sabemos disso, mas isso é outra discussão.
      Agora, é uma questão de opinião. Entendo os que dizem que “é uma riqueza muito grande, tem que ser compartilhada”, só não concordo. É como se Minas Gerais tivesse que dividir os lucros de seus minérios (se é que eles ainda existem) ou o Acre dividir lucros sobre sua borracha…

      Hey, muito interessante essa história do hidrogênio como combustível, eu realmente nunca tinha ouvido falar. Vou dar uma estudada a respeito. Quem sabe daí surja mais um episódio da série de energia…
      Quanto à energia nuclear. Concordo com você, e acho que até disse no cast. Parece ser a única solução possível à médio prazo. Espero que descubramos coisas novas logo, pra isso vamos proteger o Einstein! 😉
      Abração!

  3. Galera, desculpa ai antecipadamente, mas tiveram umas afirmações bem zoadas ao longo desse episódio. Parei de ouvir na 2a e ainda não voltei para terminar.
    Aqui vão elas:
    – A Água é Orgânica;
    – O Petróleo dá origem ao Álcool;
    A água é um mineral. Orgânicos são compostos baseados em Carbono.
    O álcool que nós utilizamos não é derivado do petróleo, e sim da fermentação de alguns extratos vegetais, como o da cana-de-açúcar, do milho ou de resíduos orgânicos, como bagaço de cana, restos de madeira entre outros.
    Depois volto para comentar o resto do episódio.
    Abraços….

    1. Olá Pedro, belezinha?
      1 – De fato, água é inorgânica. Provavelmente confundimos ao tentar dizer que também se tratava de um recurso natural e tals, mas não tem desculpa. Falha nossa.
      2 – Por definição, existe álcool derivado de petróleo sim. Não é esse que o Brasil utiliza mais frequentemente como combustível (aqui usamos mais em aromatizantes, plásticos, tintas e até solventes), mas é possível.
      Valeu pelos petelécos!
      Abraços!

  4. O petróleo ter origem orgânica não é a teoria mais aceita porque nao é mais teoria, é comprovado que os hidrocarbonetos podem ser gerados a partir da decomposição de matéria orgânica, claro que para acontecer naturalmente é necessário pressão e alta temperatura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *